sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

2.3 - Incondicional Eleição Reprobação Predestinação Para Condenação. Versos Mal Usados Calvinistas - D. Cloud


2.3) INCONDICIONAL, SOBERANA ELEIÇÃO E SOBERANA REPROBAÇÃO [Predestinação para Condenação]: Versos [Mal-] Usados por Calvinistas
http://www.wayoflife.org/database/calvinisms_proof_text.html

David Cloud

traduzido por Hélio de Menezes Silva. e Hélio de Sousa Ferraz
 



Rm 11 2 Deus não rejeitou o seu povo, que antes conheceu. Ou não sabeis o que a Escritura diz de Elias, como fala a Deus contra Israel, dizendo: 3 Senhor, mataram os teus profetas, e derribaram os teus altares; e só eu fiquei, e buscam a minha alma? 4 Mas que lhe diz a resposta divina? Reservei para mim sete mil homens, que não dobraram os joelhos a Baal. 5 Assim, pois, também agora neste
tempo ficou um remanescente, segundo a eleição da graça. 6 Mas se [é] por graça, [] não [é] pelas obras; de outra maneira, a graça [] não é graça. Se, porém, [é] pelas obras, [] não é mais graça; de outra maneira a obra [] não é obra. 7 Pois quê? O que Israel buscava não o alcançou; mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram endurecidos.

Embora este verso seja usado por Arthur Pink e outros calvinistas em apoio à doutrina da eleição soberana [incondicional], o versículo simplesmente diz que a eleição é por graça e não por obras. O calvinista afirma que a fé é uma obra; portanto, se a salvação fosse uma questão do pecador crer em Cristo, seria uma salvação de obras, mas isso não é sustentado por este versículo ou por qualquer outro verso, e é claramente refutado por Ef 2 8 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, [é] dom de Deus. 9 Não vem das obras, para que ninguém se glorie." Ef 2:8-9 prova claramente que fé não é obra.
Vemos a mesma coisa em Rm 4 5 Mas, àquele que não pratica, mas crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é imputada como justiça. Rm 4:5 prova que crer não é obras, antes é o oposto delas. De acordo com esta passagem, a eleição é uma questão de Deus oferecendo graça àqueles [que Ele sabe] que a receberão.

Embora o calvinista diria que Deus soberanamente [incondicionalmente] elegeu 7.000 [homens] em Israel durante os dias de Elias, este versículo não diz nada sobre eleição soberana [incondicional]. Ele simplesmente diz que Deus reservou 7.000 que não tinham dobrado seus joelhos para Baal. Não diz que eles se recusaram a dobrar o joelho porque Deus [incondicionalmente] os predestinou [a isso]. Ter-se-ia que se forçar tudo isso para dentro do que está registrado.

A "eleição pela graça" é explicada mais claramente em Rm 11 7 Pois quê? O que Israel buscava não o alcançou; mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram endurecidos. [note que a palavra "eleitos" refere-se ao remanescente fiel, aos israelitas que creram.]. O verso não é sobre alguns serem [incondicionalmente] predestinados para a salvação (e outros não o serem), mas é sobre o evangelho da graça versus obras. Israel buscou Deus pela lei, e não pela graça. Isso ficou claro no capítulo 9. Rm 9 30 Que diremos pois? Que os gentios, que não buscavam a justiça, alcançaram a justiça? [Sim], mas a justiça que é pela fé. 31 Mas Israel, que buscava a lei da justiça, não chegou à lei da justiça. 32 Por quê? Porque não foi pela fé, mas como que pelas obras da lei; pois tropeçaram na pedra de tropeço; 9 33 Como está escrito: Eis que eu ponho em Sião uma pedra de tropeço, e uma rocha de escândalo; E todo aquele que crer nela não será confundido.

Ef 1 5 E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,

Se este versículo estivesse sozinho na Escritura, seria possível que ele levasse à [possibilidade da] interpretação calvinista de "Eleição Soberana [incondicional]" e ao "Chamado Irresistível", mas ele não está sozinho [na Escritura]. Em Romanos 8:29-33, descobrimos que o ato de predestinação começa com a presciência de Deus. Veja [acima] o comentário sobre essa passagem.

At 13 48 E os gentios, ouvindo [isto], alegraram-se, e glorificavam a palavra do Senhor; E creram ― todos quantos estavam tendo sido dispostos- em- ordem para dentro da vida que- dura- para- sempre.

Se este versículo estivesse sozinho no livro de Atos, a interpretação calvinista (que Deus soberanamente [incondicionalmente] predetermina que alguns serão salvos e, então, irresistivelmente os salva) seria aceitável, mas o versículo não está sozinho.

O contexto [próximo], de fato, refuta a teologia calvinista:

Em Atos 13:43 vemos que os pecadores podem ser persuadidos a continuar no evangelho. At 13 43 E, despedida a sinagoga, muitos dos judeus e dos prosélitos religiosos seguiram Paulo e Barnabé; os quais, falando-lhes, os EXORTAVAM a que PERMANECESSEM na graça de Deus. Assim, há mais para a salvação do que a Eleição soberana [incondicional] e o Chamado Soberano [incondicional]. A vontade do homem está envolvida na questão, e o esforço dos ganhadores de almas tem um efeito sobre o resultado. É por isso que Paulo disse: 1Co 9 22 Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios [chegar a] salvar alguns. , e, 1Co 9 19 Porque, sendo livre para com todos, fiz-me servo de todos para ganhar ainda mais (almas).

Em At 13:46 vemos que o evangelho é oferecido a pecadores e eles podem rejeitá-lo. "Havendo Paulo e Barnabé, porém, falado ousadamente, disseram: "A vós outros era necessário primeiramente ser pregada a Palavra de Deus. Uma vez, porém, que a REJEITAIS e não julgais a vós mesmos [serdes] dignos da vida eterna , eis que estamos sendo voltados para dentro dos gentios;" Estes judeus não foram soberanamente [incondicionalmente] escolhidos para a reprobação (incondicional predestinação para condenação). DEUS lhes ofereceu salvação e os QUIS salvar, mas eles, por um exercício de suas vontades, rejeitaram [salvação através de crer em Cristo].

Em At 13:47 vemos que o evangelho é intencionado ser [oferecido, com toda sinceridade,] a TODOS os homens. At 13 47 Porque o Senhor assim no-lo mandou: Eu te pus para luz dos gentios, A fim de que sejas para salvação até os confins da terra Isso não pode ser limitado apenas a um grupo pré-eleito de homens. O evangelho deve ser pregado a toda criatura (Mc 16:15) e Deus GOSTARIA que TODOS os homens viessem a ser salvos (1Tm 2:3-4) "3 Porque isto [é] bom e agradável aos olhos de o nosso Salvador, Deus , 4 O Qual DESEJA TODOS [os] homens ser[em] salvos e, para dentro do pleno- conhecimento d[a] verdade, vir[em]."

O que, então, significa At 13:48? E os gentios, ouvindo [isto] (a), alegraram-se (b) , e glorificavam (c) a palavra do Senhor; e creram (d)
TODOS quantos estavam tendo sido dispostos- em- ordem para dentro da vida que- dura- para- sempre.

Significa simplesmente que todos os homens cujos corações estavam predispostos a aceitar o evangelho, isto é, tantos quantos estavam dispostos a invocar o nome do Senhor (Rm 10:13), creram. "Porque TODO- E- QUALQUER- HOMEM que invocar o nome de o Senhor (Jesus) será salvo."

A palavra grega aqui traduzida como "tendo sido dispostos- em- ordem" é "tasso", e significa "organizar de uma maneira ordenada, ou seja, atribuir ou dispor" (Strong). É usada oito vezes no Novo Testamento. Duas vezes ela é traduzida "ordenar" (Atos 13:48, Romanos 13:1). Em outro lugar, ela é traduzida como "dedicar" (1 Coríntios 16:15), "nomear, apontar, designar" (Mateus 28:16, Atos 22:10, 28:23), "determinar" (Atos 15:2), e "colocar" (Lc 7:8).

Há duas perguntas que devem ser respondidas aqui.
Primeira, quantos pecadores são
dispostos- em- ordem para a vida que- dura- para- sempre?
Segunda, por que os homens são
dispostos- em- ordem para dentro da vida que- dura- para- sempre?

A resposta à primeira pergunta é que Deus gostaria que TODOS os homens viessem a ser salvos (1 Timóteo 2:3-4). A resposta calvinista, de que Deus soberanamente [incondicialmente] elegeu somente ALGUNS para serem salvos, não é escriturística.

A resposta à segunda questão é que os homens "
são dispostos- em- ordem para dentro da vida que- dura- para- sempre" crendo no evangelho e invocando o nome de Cristo (Mc 16:16, Lc 8:50, João 1:12, 3: 13-18; 3:36; 5:24; 6:35; 6:40; 6:47; 8:24; 11:25; 12:36; 12:46; 20:31; Atos 8:36-37; 1Co 1:21, Gl 3:22, 1Tm. 1:16; Jo 5:13). Esta é a ordem que é dada consistentemente através de todo o Novo Testamento - crer, para, em [infalível e maravilhosa] consequência disso, ser salvo.

"Aqui, os judeus haviam rejeitado voluntariamente a palavra de Deus. Do outro lado, estavam aqueles gentios (não todos os gentios) que alegremente aceitavam o que os judeus haviam rejeitado. Por que esses gentios se situavam ao lado de Deus em oposição aos judeus, Lucas não nos diz. Este versículo não resolve o problema exaustivamente discutido da soberania divina e do livre arbítrio humano. Não há nenhuma evidência de que Lucas tinha em mente um absolutum decretum [decreto absoluto] de salvação pessoal. Paulo tinha mostrado que o plano de Deus se estendeu e incluiu os gentios. Certamente o Espírito de Deus se move sobre o coração humano e, ao Espírito, alguns respondem, como aqui, enquanto outros O afastam para longe." (Robertson's Word Pictures).

Tt 1 1 Paulo, servo de Deus, e apóstolo de Jesus Cristo, segundo a fé dos eleitos de Deus, e o conhecimento da verdade, que é segundo a piedade,

Este versículo menciona os eleitos de Deus, mas não diz nada sobre "eleição soberana [incondicional]".

1Ts 1 3 Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de nosso Deus e Pai, 1Ts 1 4 Sabendo, amados irmãos, que a vossa eleição é de Deus; 1Ts 1 5 Porque o nosso evangelho não foi a vós somente em palavras, mas também em poder, e no Espírito Santo, e em muita certeza, como bem sabeis quais fomos entre vós, por amor de vós.

Mais uma vez, este versículo diz que os irmãos na igreja de Tessalônica foram eleitos de Deus, mas não diz nada sobre "eleição soberana [incondicional]". É preciso se forçar isso para dentro da passagem.

1Ts 5 9 Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo,

Arthur Pink diz: "Dizer que Deus não nos designou para a ira", implica claramente que há alguns a quem Ele "designou para a ira" ... "(The Sovereignly of God, p. 98).

Esta "interpretação" é feita forçando coisas para dentro do versículo, as quais não existem lá. [O fato de] que Deus não nos designou para a ira não significa que Ele designou alguns para a ira. Isto é simplesmente uma promessa de que o crente não estará sujeito à ira que será derramada durante a Grande Tribulação (1Ts 5:1-3). Esta é a ira que está em vista. Não há uma insinuação nesta passagem que Deus tenha escolhido soberanamente [incondicionalmente] alguns pecadores para a reprobação (incondicional predestinação para condenação) e o julgamento.

2Pe 2 12 Mas estes, como animais irracionais, que seguem a natureza, feitos para serem presos e mortos, blasfemando do que não entendem, perecerão na sua corrupção,

Arthur Pink diz: "Claramente, é que 'estes [homens], como animais irracionais', são aqueles que, como animais, são 'feitos para serem presos e destruídos' ..."(The Sovereignty of God, p. 99).

O versículo, porém, não diz que os falsos mestres não salvos foram feitos por Deus para serem destruídos, que foram soberanamente [incondicionalmente] escolhidos para serem reprobados [incondicionalmente predestinados para a condenação]. Diz simplesmente que os falsos mestres são como os animais que não têm entendimento e que perecem. São os animais que são criados para serem mortos, e não os falsos mestres [serem destruídos].

De fato, o 1º verso do capítulo diz que o Senhor comprou estes homens maus, significando que Ele morreu para tornar possível que eles fossem salvos, e que eles mesmos TRAZAM SOBRE SI MESMOS DESTRUIÇÃO. "2Pe 2 1 Mas houve também falsos profetas no meio do povo, como também no meio de vós haverá falsos professores- mestres, os quais encobertamente- ao- seu- lado- trarão- para- dentro heresias de perdição, até- mesmo Àquele Dono- e- Senhor os havendo comprado negando, TRAZENDO [ELES] SOBRE SI MESMOS REPENTINA DESTRUIÇÃO;"

Jd 1 4 Porque se introduziram alguns, que já antes estavam escritos para este mesmo juízo, homens ímpios, que convertem em dissolução a graça de Deus, e negam a Deus, único dominador e Senhor nosso, Jesus Cristo.

Arthur Pink, neste versículo, [tenta] encontrar mais apoio para a doutrina da soberana [incondicional] reprobação, dizendo: "... qualquer alternativa que seja selecionada não pode ser evadida, pelo fato de que certos homens 'já antes estavam escritos para este mesmo juízo' " (The Sovereignty of God, p. 99).

O simples significado deste versículo é que os falsos mestres nesta dispensação que negam a doutrina de Cristo são julgados da mesma maneira que os homens que foram condenados no Antigo Testamento - como os pecadores do dia de Noé, como os homens de Sodoma, etc. "O significado é claramente que o castigo que caiu sobre os israelitas incrédulos (Judas 1:5), os anjos rebeldes (Jd 1:6), os habitantes de Sodoma, (Jd 1: 7) e do qual Enoque profetizou (Jd 1:15), aguardava aquelas pessoas "(Albert Barnes).

Note que Judas não diz que esses falsos mestres foram ordenados para condenação desde a eternidade, mas desde "antes de antigamente". Ele está se referindo às Escrituras e às constantes advertências que são dadas contra o pecado e a apostasia e a referência específica em alguns lugares, para os últimos dias. Mais tarde, em sua epístola, Judas se refere especificamente ao antigo profeta Enoque, dizendo que Enoque profetizou sobre esses últimos dias.

É preciso se forçar soberana reprobação (incondicional predestinação para condenação) para dentro deste versículo. O significado simples e direto das palavras não dá suporte a isso.

A advertência de Matthew Henry se aplica aqui. Ele diz que os crentes comuns não precisam ser "inquietados com pensamentos obscuros, duvidosos e causadores de perplexidade, sobre a reprovação (incondicional predestinação para condenação), nas quais as cabeças mais fortes não podem entrar muito longe, de fato não podem suportar exceto muito pouco, sem muita perda e dano." Em relação a Judas 4: "Não basta que os escritores inspirados anunciassem antecipadamente que tais homens sedutores e ímpios surgiriam mais tarde, e que todo e cada [crente], sendo avisado, deveria se armar em antecipação contra eles?" (Matthew Henry).

Os pecadores são de fato predestinados à condenação, porque Deus decretou que "o salário do pecado é a morte". Ele também graciosamente deu Seu filho e decretou, além disso, que "... para que todo aquele que nele CRÊ não pereça, mas tenha a VIDA QUE- DURA- PARA- SEMPRE." (Jo 3:16).

Ap 13 8 E a adorarão todos aqueles (homens) que estão habitando sobre a terra, dos quaiS não têm sido escritos os nomeS no grande- livro- rolo de a Vida de o Cordeiro, Aquele (Cordeiro) tendo sido morto- em- sacrifício desde a fundação do mundo.

Este versículo não diz nada sobre a base para ter seu nome adicionado ou não adicionado ao livro da vida. Não diz que aqueles que adoram o anticristo foram soberanamente [incondicionalmente] reprovados ou que eles adoram o anticristo porque não foram soberanamente [incondicionalmente] eleitos para serem salvos. O versículo simplesmente diz que são os não salvos, aqueles cujos nomes não estão escritos no livro da vida, que adorarão o anticristo, em oposição àqueles que são salvos.

2Tm 1 9 Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos;

Este versículo simplesmente diz que o chamamento por Deus [e dirigido] aos crentes não é devido a obras, mas provém da graça, e diz que este propósito e graça nos foram dado em Cristo antes do início do mundo.

A propósito, a Bíblia ensina que a fé não é obra (Efésios 2:8-9). Assim, desmorona por terra o argumento calvinista de que "o fato de que um pecador [ser salvo porque] creu em Cristo equivaleria a uma a salvação por obras".

O versículo não diz que Deus tem soberanamente [incondicionalmente] eleito um certo grupo de pecadores para ser salvo. Isto tem que ser forçado para dentro do verso.






David Cloud

traduzido por Hélio de Menezes Silva. e Hélio de Sousa Ferraz