sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Anabatista no Século 15 – Pre-Reforma: WILLIAM TYNDALE

William Tyndale (1494-1536) nasceu perto de Olchon, no sul do País de Gales, embora tenha crescido em Gloucestershire. O nome de família de Tyndale é associado com o Vale de Olchon, uma fortaleza para Igrejas Batistas [a princípio, sem usar nenhum título, depois chamadas de Anabatistas (Rebatizadoras), pelos seus inimigos romanistas]. De acordo com Davis na "História dos Batistas Galeses", Llewellyn Tyndale e Hezekiah Tyndale eram membros da Igreja Batista [mesmo se ela não usasse o título "batista", tinha doutrina batista] nas proximidades de Abergaverney. Certamente, em seus escritos, Tyndale expressa os pontos de vista Batistas usando termos Batistas, como "ancião" em vez de "Bispo" e reconhece o clero pelos ofícios de "pastor" e "diácono". Ele desafiou o celibato clerical.


Tyndale foi particularmente eloquente ao expressar a Doutrina Bíblica do batismo realizada por batista. Ele descreveu a ordenança como "o símbolo de arrependimento ... e novo nascimento" [portanto, batismo só de crentes]. Como os Batistas fazem, ele identificou o batismo principalmente com o arrependimento: "o batismo é um sinal de arrependimento que significa que devo arrepender-me do mal, e crer para ser salvo ... pelo sangue de Cristo". Tyndale negou a necessidade do batismo para a salvação do adulto, e disse que "os bebês que morrem não-batizados por nós cristãos estão tão bem quanto aqueles que morrem batizados". Ele assinalou que a função principal do batismo é a de "testemunhar e expor nossa sensatez quanto ao significado das promessas". William Tyndale acreditava que o Espírito Santo não trabalha na água, mas "acompanha a pregação da fé, e com a palavra da fé, entra no coração e purifica-o". Tyndale também descreveu o batismo como "imergir ou mergulhar como o verdadeiro símbolo" [não o despejar nem o aspergir água por cima].
(Baptism, Bromiley, pp 11, 25, 56, 149, 179, 192, Tyndale, British Reformers Series, p 407, Tyndale, Parker Society Series, III, p.171, Tyndale, Parker Society Series, I, pp 350-351, 357, 423-424)Em 1536 Tyndale foi condenado por heresia pelo papa por seu trabalho de tradução da Bíblia. Suas últimas palavras foram: "Senhor, abra os olhos do rei da Inglaterra". A oração de Tyndale foi cumprida por dois reis: Apenas 2 (dois) anos depois, o Rei Henrique VIII autorizou a Grande Bíblia e 75 anos depois o Rei Tiago autoriza a Bíblia que leva seu nome. A Bíblia King James é a tradução final, a 7º (sétima), que começou com a Bíblia de Tyndale, e é cerca de 85% do próprio trabalho de Tyndale."Como ribeiros de águas assim é o coração do rei na mão do SENHOR, que o inclina a todo o seu querer". (Provérbios 21:1)

"Porque a palavra do rei tem poder; e quem lhe dirá: Que fazes?" (Eclesiastes 8:4)




Traduzido e enviado por Hélio S. Ferraz, 13.1.2017.

Hélio de M. Silva acrescentou explicações dentro de colchetes [].